Conduzir em todo o terreno (TT) é emocionante, mas exige uma certa preparação e alguns cuidados. Veja em seguida algumas conselhos para fazer um grande passeio de jipe pelas trilhas de Portugal.

Nunca viaje sozinho

O TT envolve uma certa dose de risco; como tal, os elementos de um grupo têm a capacidade de se ajudarem uns aos outros caso seja necessário. Caso um dos veículos fique atolado ou tenha um problema mecânico, a existência de outro veículo será indispensável para evitar um grande incómodo.

Acima de tudo, não se deve viajar sozinho no próprio veículo. Um passeio TT deve ser algo para partilhar com a família e os amigos. Além de ser perigoso, viajar sozinho não é tão divertido.

Verificações gerais

Verifique o combustível, o óleo, a pressão dos pneus e outros componentes que podem falhar numa situação limite, como a bateria e as mangueiras.

4WD

Se o piso é difícil, o melhor é preparar-se desde logo com a tração às quatro rodas (“four wheel drive” ou 4WD). Não vale a pena arriscar, pois é mais difícil extrair o potencial do motor depois de o veículo se encontrar “atolado”. E se a ideia é ultrapassar os desafios com sucesso, é preferível ir preparado de antemão.

Polegares para cima

Quando o piso é bastante irregular, com buracos, sulcos escavados pela água, covas e lombas, é ideal manter os polegares para cima. Os especialistas alertam que se o carro encontrar uma valeta ou um buraco mais fundo, a rotação súbita do volante pode ser bastante incómoda para os polegares. Se o veículo tiver direção assistida, o risco é menor.

Transmissão baixa

Os bons passeios em off-road são feitos numa velocidade média entre 5 a 10 km/hora. Por vezes, quando o terreno é realmente difícil, podem chegar aos 2 km/hora. A velocidade não é importante; o controlo da potência e a gestão feita pela embraiagem, sim. Mantenha as rotações no mínimo para evitar perdas de tração.